sábado, 5 de maio de 2018

Resenha: Tartarugas até lá embaixo - John Green

"A vida é uma história que contam sobre nós, não uma história que escolhemos contar." pág. 9

Eu amo a escrita do John Green e esse livro, em especial, me tocou profundamente.  São muitos trechos sublinhados, muitas paradas para tomar folego, muitas reflexões.
A estória em si é simples, um milionário foge de ser preso pela policia e uma recompensa de US$ 100.000 é ofertada para quem achar pistas.

"A Dra Karen Singh gostava de dizer que um pensamento indesejado é como um carro passando numa estrada enquanto você está parado no acostamento. Repeti para mim mesma que eu não precisava entrar naquele carro, que eu não teria que escolher entre ter aquele pensamento ou não, mas entre me deixar ser levada por ele ou não." pág. 235

Aza é uma garota no ensino médio, tudo seria normal se não fosse o TOC de contaminação que a persegue, e já nas primeiras páginas o leitor começa a entender como sofre uma pessoa com essa síndrome. John descreve com muita sensibilidade e muita realidade. Eu sofri com Aza. 

Mas o livro não é só isso, também temos muita amizade, como a de Aza e Daisy. Assim como a maioria dos livros de Green, essa amizade é posta a prova, pois será que sempre conseguimos olhar para nossos amigos como eles realmente são? Conseguimos enxergar o lado deles? Será que conseguimos ser amigos de verdade? 
Também tem romance! Aza e Davis (filho do empresário sumido) vivem um romance bem bonitinho! 

Nesse livro também refletimos sobre as perdas...Aza perdeu o pai ainda menina, mas esse vazio ecoa em sua vida.

"Então você sabe como é. Não, eu não sabia. Não sabia exatamente. Toda perda é única. Não dá para saber como é a dor de outra pessoa, da mesma forma que tocar o corpo de alguém não é o mesmo que viver naquele corpo." pág. 164

O título é explicado nas páginas 229 e 230. E o mistério do pai de Davis também é primorosamente resolvido. 
Eu amei! Paguei R$21,90