quinta-feira, 14 de novembro de 2013

Resenha: Adeus à Inocência - Drusilla Campbell



“Quanto mais conhecia Madora, mais sentia que havia nela solidão e tristeza que correspondiam aos mesmos sentimentos que havia nele e que, quando conseguisse encontrar uma maneira de conforta-la, isso o faria sentir-se melhor também. Ele não sabia como faria isso, mas estava determinado a inventar algo mais cedo ou mais tarde”. P. 149

Eu já li muito livro por achar a capa linda, mas quando vi a capa de “Adeus à inocência” confesso que tive que ler a sinopse para me interessar.  Olhem a capa americana que fofa!
Táitulo em inglês: Little Girl Gone
“Adeus à Inocência” conta a estória de Madora, Willis e Django e se passa em Yuma/Arizona. 

Madora é uma menina de 12 anos quando seu pai suicida-se com um tiro na cabeça no meio do deserto. Tal fato fez com que a família se desestabilizasse. 
Passados 5 anos do ocorrido, sua mãe continua em depressão e a menina parou de estudar e se envolveu com más companhias.

Até que conheceu Willis Brock, um rapaz de cabelos compridos, bonito e extremamente respeitador. Ele coloca Madora na linha novamente e depois de alguns anos vão morar juntos numa casa abandonada no deserto. Madora é extremamente apaixonada por ele. Ela é capaz de todas as loucuras em nome desse amor, pois acredita em Willis cegamente, e deseja montar uma família com ele.

No terreno onde moram, além do casebre e de muito ferro velho espalhado, existe um trailler que serve de abrigo para a Linda, uma garota grávida que Willis sequestrou e aprisionou. Willis tem um dom de persuasão muito forte e convence Madora  que esse é o melhor que eles podem fazer por uma garota grávida e perdida.

“Mesmo as jovens ainda com gordurinha da infância. As mais velhas, as magrelinhas, usavam jeans abaixo dos quadris estreitos, ostentando tatuagens de borboletas e os T das calcinhas fio dental. Havia 2 ou 3 que ele seguira até em casa no passado para certificar-se de que estariam a salvo. Ele queria jogar casacos e cobertores sobre todas elas, sair com elas embrulhadas, trancá-las até que caíssem na real e encontrassem alguma dignidade, algum amor-próprio”. P. 137

Nesse meio tempo, conhecemos Django, um garoto de 12 anos que perdeu o pai e mãe num acidente de carro. Ele é de família extremamente rica, pois seu pai era um guitarrista astro de rock, porem agora sem eles, o garoto teve que ir morar numa cidade desértica com a tia Robin, uma mulher um tanto fria que ele mal conhece.
Django e Madora começam uma amizade por causa de Foo, o cachorro de Madora, e aos poucos ela consegue perceber que nem tudo é como imagina/parece.

 “Quem teria imaginado que Madora fosse desenvolver pensamentos próprios?” p. 144

A escritora mostra 3 personagens completamente diferentes, conseguimos entrar na mente de cada um deles e até mesmo entendê-los.
Madora sofreu demais a perda do pai e de certa forma coloca Willis no lugar dele, este tem alguns motivos que o levaram a uma ideologia fanática de “salvar meninas”. Django apesar de ser um menino ainda, tem uma forte visão do que é certo e errado. Ele é a consciência que faltava a Madora.

=> Será que conseguirá resgata-la do fundo do poço?

A narrativa é em 3ª pessoa, as estórias se intercalam, ora ficamos com a estória de Madora ora com a de Django. 
A leitura é rápida, dinâmica, tem momentos de suspense e o que mais me deixou intrigada é que mesmo tendo lido o livro inteiro, ainda  não consigo ter um posicionamento sobre Madora, e é exatamente esse mesmo sentimento que a permeou o livro todo. 

=> Será que ela é tão culpada quanto Willis?

O deserto em que vivem não é só físico, como também emocional e psicológico. Todos personagens vivem numa desolação, numa falta de esperança. Achei sensacional a escritora conseguir nos mostrar tão bem essa ligação.

Gostei muito da estória, principalmente porque é muito atual e o mais interessante é como a escritora conseguiu humanizar cada uma das personagens.

18 comentários:

  1. Não tinha ideia que o livro fosse ter uma história tão forte e envolvente. O drama dos personagens e suas personalidades tão distintas e diferentes é incrível e chocante ao mesmo tempo. Fiquei curiosa como isso tudo vai terminar. Vou tentar ler.

    ResponderExcluir
  2. Não li muitas resenhas sobre esse livro, então ele não despertou muito meu interesse em nenhum momento, nem pelo título ou capa e nem mesmo agora, lendo sua resenha positiva. Eu gosto de histórias mais complexas e profundas e essa parece bem interessante, se eu não tivesse tantos livros para ler, talvez o leria, mas por enquanto não me interessa tanto, não me parece uma leitura indispensável. Mas pra quem está procurando um bom livro desse gênero, "Adeus à Inocência" é uma ótima opção! ;D

    ResponderExcluir
  3. Eu achei muito dramático... Eu adoro drama. Imaginei um filme já, hehe. O Willis é daqueles vilões que dá vontade de apertar o pescoço... sério, já to com ódio dele. Fiquei com muita vontade de ler. Parece ser uma leitura pesada, angustiante, de prender a respiração... Espero que no final dê pra respirar... ;)

    ResponderExcluir
  4. :O A capa é tão linda e a história tão forte. Faz semanas já que eu estou com vontade de ler um livro mais "pesado'... esse é mais um que vai pra lista. Oh meu Deus! Será que um dia essa lista diminui?

    ResponderExcluir
  5. A capa internacional esta mais bonita, e com ccerteza deve ser emocionante.

    ResponderExcluir
  6. Oi Marcela!
    Uma linda capa! Tb já li mta capa por causa da capa rs
    Essa é a primeira resenha que leio desse livro, não o conhecia e fiquei impressionada.
    Uma história dramática, personagens fortes que se intercalam em meio ao suspense.
    A sua frase: deserto físico, emocional e psicológico é muito intensa. Um livro de tirar o fôlego!
    Bjsss

    ResponderExcluir
  7. Nossa... eu gostei muito da premissa do livro. Gosto de histórias assim :3 Não achei a capa tão linda assim, mas tudo bem... adoro livros com esse teor psicológico. ;)

    ResponderExcluir
  8. Esse é um exemplo de livro que eu leria. Não sei o que esses dramas tem para me deixar tão interessada assim, mas seja o que for, funciona e muito bem. Poucas vezes me decepciono e acho que não me decepcionaria com "Adeus à Inocência."
    E me julguem, mas eu achei a capa brasileira lindíssima. Acho que esse deserto serve como representação do interior dos personagens, indo além de cenário. Achei genial a ideia, a premissa, enfim... Tudo!

    ResponderExcluir
  9. Oi Marcela!

    Gostei da sua resenha, fiquei curiosa em conhecer essa trama.

    Bjo!

    ResponderExcluir
  10. A capa estrangeira é com certeza mais chamativa que a do Brasil. É claro, que assim como a maioria, julgaria o livro só de ver essa capa simplesinha. Me surpreendi com o enredo da história, é realmente muito chocante. Mas só vou poder sentir essa boa sensação de aventura quando eu poder lê-lo :)

    ResponderExcluir
  11. Ainda não conhecia o livro e apesar de drama não ser o meu forte, para quem gosta acho que essa é uma história bem completa.

    ResponderExcluir
  12. Menina, que santinho do pau oco esse Willis!! Meda dele! E tadinha da Madora, quando começa a viver de novo, vive graças à um cara mal. Gostei dessa reviravolta do possível mocinho da história.
    Parece ser um suspense e tanto! Adorei conhecer esse livro, já vou marcá-lo em minha estante no Skoob para não esquecer de procurá-lo.

    ResponderExcluir
  13. Não tinha visto esse livro ainda Marcela, mas gostei da resenha, é um drama forte e envolvente, só fiquei meio de pé atras em saber que vc não conseguiu identificar se a Madora é boa ou má, talvez ela seja um pouco dissimulada, enfim, narrativas em terceira pessoa eu gosto, pois conseguimos ter uma visão geral dos personagens e eu gostei mais da capa brasileira do que da americana, achei a cara da historia! Bjão! :)

    ResponderExcluir
  14. Jamais imaginei que esse livro pudesse ser tão bom. Esse livro já tinha me interessado pelo título, mas ainda não tinha lido nada sobre ele. Gostei muito da sua resenha, e fiquei morrendo de vontade de ler esse livro, e de conhecer mais os personagens.
    Beijos

    ResponderExcluir
  15. Oi Marcela, nossa que contexto interessante, isso mostra como não estamos NUNCA preparados para lidar com a perda de pessoas queridas..Madora não conseguiu lidar com a perda do pai e de certo modo da mãe e acaba se relacionando com alguém que ela não conseguia enxergar seus defeitos..E precisa de um garoto de 12 anos para mostrar para ela que a vida é mais do que ela enxerga...achei a premisa interessante do livro.

    ResponderExcluir
  16. Esse livro parece ser muito bom, mas eu não me interessei muito por ele. Talvez algum dia eu até leia, mas deve demorar ainda =/

    ResponderExcluir
  17. Ótimo texto de resenha. Meus parabéns! Amei a maneira que vc usou para se expressar, me fez se interessar pelo livro....mas vc já leu o livro reverso... se trata de um livro arrebatador...ele coloca em cheque os maiores dogmas religiosos de todos os tempos.....e ainda inverte de forma brutal as teorias cientificas usando dilemas fantásticos; Além de revelar verdades sobre Jesus jamais mencionados na história.....acesse o link da livraria cultura...a capa do livro é linda ela traz o universo como tema.
    http://www.livrariacultura.com.br/scripts/resenha/resenha.asp?nitem=78725243

    ResponderExcluir

Sua opinião é super importante!
Obrigada por deixar seu comentário!