sábado, 23 de novembro de 2013

Correio Literário

Olá pessoal!
Vamos ver os livros que chegaram essa semana?

DETONE! da Editora Alfaguara.
Preciso muito ler! Na verdade preciso colocar em prática né? Eliminar uns 10 ou 15kg extras não seria nada mal...voltar ao meu corpitcho de 20 anos...só me falta vontade...
Fundador de duas iniciativas importantes na área da saúde nos Estados Unidos — o 50 Million Pound Challenge e a Makeover Mile — programas que ajudaram milhões de pessoas a perder peso e recuperar a saúde, Dr. Ian K. Smith foi nomeado em 2010 pelo presidente Barack Obama para integrar seu Conselho Presidencial para a Boa Forma, os Esportes e a Nutrição. 
Desde então, seu método de emagrecimento vem sendo seguido por centenas de milhares de norte-americanos, a ponto de seu livro de dieta alcançar o primeiro lugar na lista de mais vendidos do New York Times. Lançado em dezembro de 2012, Detone! A dieta revolucionária que vai livrar você dos quilos extras tem como principal objetivo ajudar a perder os últimos quilos, considerados os mais difíceis de eliminar e cuja resistência muitas vezes acaba por desanimar quem quer emagrecer. 
O Dr.Ian observa que na reta final de qualquer dieta é comum o metabolismo se acostumar aos novos hábitos desenvolvidos, fazendo com que o ritmo de emagrecimento diminua ou caia por completo. Analisando o caso de uma amiga, que havia perdido 30% do peso corporal, mas lutava com 10 quilos restantes que insistiam em permanecer intactos, o médico teve a ideia de criar um programa que usasse tudo o que sabia sobre dieta estratégica, juntando tudo num plano só. Criado para ser seguido em seis semanas, o programa combina espaçamento e substituição de refeições, lanches, exercícios estratégicos e dicas de “confusão dietética” num programa para melhorar o desempenho do corpo, acelerar o metabolismo e ajudar a perder o excesso de peso de forma perene. 

"A Assinatura de Todas as Coisas" de Elizabeth Gilbert, a famosa escritora de "Comer, Rezar e Amar".

Alma Whittaker nasceu na virada dos anos 1800, nos Estados Unidos, filha de um ambicioso botânico que construiu por conta própria uma das maiores fortunas da Filadélfia. Curiosa desde criança, e instruída com rigor pela mãe holandesa, ela aos poucos abraça a mesma devoção do pai e, sozinha, se dedica ao estudo das ciências naturais. Mas algo falta em sua vida. Desiludida no amor, reservada e solitária, Alma conhece um jovem sonhador, exímio desenhista de orquídeas que, assim como ela, é fascinado pelo mundo ao seu redor. Esse é o início de uma intricada e trágica relação, que a levará até os confins da Terra para descobrir não apenas algo sobre ele, mas sobre sua própria natureza. A partir de uma pesquisa minuciosa, e com uma escrita fluente e cativante, Elizabeth Gilbert desfila personagens inesquecíveis: missionários, abolicionistas e aventureiros; gênios e loucos, sonhadores e excêntricos. Ao transportar o leitor para outra época e outras culturas, ela o faz descobrir, assim como Alma, os segredos que a aguardam nos confins desse mundo inexplorado.

"Eu sou Malala" pela editora Companhia das Letras.

Quando o Talibã tomou controle do vale do Swat, uma menina levantou a voz. Malala Yousafzai recusou-se a permanecer em silêncio e lutou pelo seu direito à educação. Mas em 9 de outubro de 2012, uma terça-feira, ela quase pagou o preço com a vida. Malala foi atingida na cabeça por um tiro à queima-roupa dentro do ônibus no qual voltava da escola. Poucos acreditaram que ela sobreviveria. Mas a recuperação milagrosa de Malala a levou em uma viagem extraordinária de um vale remoto no norte do Paquistão para as salas das Nações Unidas em Nova York. Aos dezesseis anos, ela se tornou um símbolo global de protesto pacífico e a candidata mais jovem da história a receber o Prêmio Nobel da Paz. Eu sou Malala é a história de uma família exilada pelo terrorismo global, da luta pelo direito à educação feminina e dos obstáculos à valorização da mulher em uma sociedade que valoriza filhos homens. O livro acompanha a infância da garota no Paquistão, os primeiros anos de vida escolar, as asperezas da vida numa região marcada pela desigualdade social, as belezas do deserto e as trevas da vida sob o Talibã. Escrito em parceria com a jornalista britânica Christina Lamb, este livro é uma janela para a singularidade poderosa de uma menina cheia de brio e talento, mas também para um universo religioso e cultural cheio de interdições e particularidades, muitas vezes incompreendido pelo Ocidente. “Sentar numa cadeira, ler meus livros rodeada pelos meus amigos é um direito meu”, ela diz numa das últimas passagens do livro. A história de Malala renova a crença na capacidade de uma pessoa de inspirar e modificar o mundo.