segunda-feira, 23 de setembro de 2013

Resenha: A Lista do Nunca - Koethi Zan

"Olhei para o espelho da parede à minha frente e vi o contorno da minha sombra escura. Uma velha amiga, minha única amiga. Eu podia fingir que meu reflexo era o fantasma de Jennifer. Costumava conversar com ela, embora ela não respondesse, como nos anos que passara na caixa.

Nessa noite apenas olhei para ela por um bom tempo, até finalmente me levantar e caminhar até o espelho, onde tracei o contorno de sua imagem com a ponta do dedo. Era o único ser humano que eu ousava tocar. Quem tivera mais sorte?, eu me perguntei. Jennifer não precisava mais ficar sozinha, enquanto eu estava ali, trancada em minha própria caixa, uma figura solitária incapaz de permitir a entrada de alguém. Fechada como um pote hermético, com nada além de fobias e paranoia para me guiar. Destruída. Irrecuperável. Imobilizada". pág. 135

Quando terminei a leitura de "A Lista do Nunca", só tive uma palavra: UAU!!!
Esse livro é um thriller maravilhoso! O leitor fica estaziado.

"A Lista do Nunca"conta a estória de Sarah e Jennifer. As duas sofreram um acidente de carro quando eram adolescentes, o que fez com que elas se tornassem amigas inseparáveis, e Jennifer passou a morar com sarah, pois sua mãe morreu nessa fatalidade.

A partir daí as garotas começaram a tomar todos os cuidados necessários para que sempre estivessem seguras. Elas fizeram a "Lista do Nunca", coisas que não deveriam fazer em nenhuma hipótese. Porem quando entraram na faculdade, por mais que tenham tentando seguir suas próprias regras, foram sequestradas quando entraram num táxi à noite.

Elas jamais poderiam imaginar o que estaria por vir, ficaram 3 anos trancadas num porão com mais duas mulheres, todas acorrentadas numa parede, nuas, sofrendo vários tipos de torturas. Jennifer teve menos sorte ainda, passou o tempo todo numa caixa de 1,5m de comprimento por 1m altura, o que a debilitou muito, e logo ela sumiu do porão.

Passados 3 anos, Sarah conseguiu escapar, numa fuga muito bem construída pela escritora, e denunciar o então sequestrador, que na verdade era um catedrático professor de psicologia da Universidade.

Dez anos se passaram, mas Sarah nunca conseguiu levar uma vida normal, ela mora em NY, nunca sai de seu apartamento, vive trancada e não toca em ninguém desde a saída do cativeiro.
Ela não consegue levar uma vida normal, pois além das lembranças que a torturam, ela quer saber onde Jack enterrou Jennifer.

Cartas do sequestrador começam a chegar, e ela sente que a única maneira de saber sobre o que aconteceu com sua amiga, é seguir as pistas desse psicopata.

Eu fiquei espantada com esse leitura! Juro! Foi tão bem construída...o enredo tão bem articulado, que eu não consegui desgrudar os olhos desse livro até a última linha.
É o tipo de estória que até o final você não sabe em quem confiar.

Sarah começa sua "jornada" para descobrir onde esta o corpo de Jennifer e tem que enfrentar os próprios medos, primeiro o de sair de casa, depois de pegar avião, de dirigir, até de enfrentar as ex-sequestradas Tracy e Cristhine que a culpam por coisas que ela nem imaginava.

A escritora conta sobre a vida de cada uma, e é tudo tão bem amarrado que eu, como leitora, fiquei espantada. Não esperava tanto.
As personagens secundárias tem grande importância no enredo, como Adele, a ex assistente de Jack, que mostra a Sarah, um lado sombrio do sequestrador que nem o FBI conhecia.
Jim, o detetive que cuidou do caso, mas não conseguiu culpar Jack por assassinato.
Ray, o fanático por crimes bizarros.
Noah Philben, o pastor de uma seita religiosa. Todos eles, juntos com Sylvia, a esposa desaparecida de Jack tem uma papel importantíssimo na trama!

Aos poucos, as peças desse suspense vão se encaixando e Sarah terá que lidar com a verdade por mais dura que seja.
Nem todo mundo é o que parece.

Edição: 1
Editora: Paralela
ISBN: 9788565530408
Ano: 2013
Páginas: 272
Tradutor: Elvira Serapicos