quinta-feira, 22 de agosto de 2013

Resenha: Todo dia - David Levithan


"O passado não me ofusca, nem o futuro me motiva. Concentro-me no presente, porque é nele que estou destinado a viver"p. 12

*Quem tiver o livro dê atenção as páginas 93 e 94, são lindas!!

Eu amei "Todo Dia". O início já capturou meu coração e mente, achei lindo, lindo e lindo. 
Amei esse livro porque me apaixonei junto com o personagem, e depois pela forma como David Levithan consegue mexer tão bem na questão do gênero, ou seja, não importa se somos meninas, meninos, o que importa é que somos pessoas! Isso é o essencial! O que sentimos é que é importante! O que somos é o que interessa.

"Todo dia" conta a estória de A. Isso mesmo o nome do personagem principal é A, na verdade ele não é uma pessoa, ele é um "ser" que habita o todo dia o corpo de uma pessoa diferente, pode ser menino, menina, gordo, magro, negro, branco, gay, drogado, bonzinho, rebelde...e é assim desde que ele se entende por vivo. Mas um dia entre todos esses, ele conhece Rhiannon e se apaixona por seus olhos tristes, por seu jeito meigo, e a partir dai sua vida que era simplesmente viver a vida dos outros por um dia, sem grandes surpresas, se torna uma vida para amar Rhiannon. 

A narrativa é tão interessante, e como Levithan consegue nos contar a estória é tão perfeito, que não consegui parar de ler. O livro é curto, são 273 páginas, e você lê rapidamente, porque é muito encantador.

A vida de A é como se fosse um dejà vu na vida de quem ele viveu por um dia, porem para ele é apenas mais um dia,  até que conhece a paixão e tudo muda, ele começa a se importar com as vidas que interfere, e nos dá tantas lições, que fiquei triste quando o livro acabou.

Já adianto que o final é emocionante! :)