terça-feira, 26 de fevereiro de 2013

Resenha: A Travessia - William Young

"A dor é real e verdadeira. Acredite em mim, Tony. Uma transformação sem esforço nem dor, sem sofrimento, sem mudança, sem sensação de perda, é apenas uma ilusão de verdadeira mudança."p 60.
Anthony Spencer é um homem egocêntrico, materialista e racional, mas também é um homem marcado pelas dores do passado, pela perda precoce da mãe, por ter vivido em lares adotivos, pela dor do divórcio, pela morte de seu filho.
Tony foca sua vida em ganhar dinheiro e sempre procura uma resposta racional para tudo o que vive. Distante de Deus e da família, ele embarca numa vida de mentira e solidão.
Um dia Tony tem umm AVC devido a um tumor cerebral, fica em coma no hospital e seu espírito encontra ninguem menos do que Jesus e o Espirito Santo. Nesse encontro, Tony irá entender algumas partes de sua vida, e lhe concederam de presente a dádiva de curar uma pessoa.
Voltando a Terra, ainda em "espírito", Anthony conhece Cabby, um menino com Sindrome de Down, Molly, Lindsay, Maggie e Clarence.
Dividindo seu tempo em participar um pouco da vida de cada uma dessas pessoas, Tony consegue sentir o amor que um tem pelo outro e ver a sua vida de outra maneira.

"Tony, o inferno é acredita e viver na realidade quando ela não é a verdade.

Para quem pensa que ele é um auto ajuda, ou um livro religioso, A Travessia é bem mais que isso. Um livro muito bonito, com uma estória emocionante (não tanto quanto A Cabana que eu amei!), e fala sobre o poder do perdão, da bondade e da fé.
Cheio de passagens bonitas, momentos hilários e de pesamentos profundos, A Travessia é antes de tudo um livro que faz o leitor pensar e reanalisar sua vida.

Informações:
Editora Arqueiro

Páginas 235
Paguei R$24