segunda-feira, 21 de janeiro de 2013

Resenha: Carcereiros - Drauzio Varella



“Os funcionários antigos lamentam o aparecimento de facções que impõem suas leis nos presídios atuais, inversões de papéis que ganhou força após o massacre de 1992. A estupidez assassina da autoridade de quem partiu a ordem para a PM invadir o pavilhão Nove, tomado por uma rebelião que não havia feito um único refém, situação que os carcereiros teriam resolvido com facilidade caso lhes dessem a oportunidade de negociar com os rebelados, foi um divisor de águas na história das cadeias paulistanas" p. 42
Treze anos após o lançamento de Estação Carandiru, Drauzio Varella continua a relatar suas memórias como médico voluntário nos presídios paulistanos, porem em Carcereiros ele narra sob a perspectiva de quem lá trabalha.
São 226 páginas, divididas em 36 capítulos os quais o escritor relata de forma interessante e intrigante a vida e o trabalho dessas pessoas, que muitas vezes entram nessa profissão somente em busca de estabilidade fincanceira e nenhuma vocação, assim como algumas se deixam influenciar pelo mundo do crime, acabando do outro lado das grades.
Dono de uma ironia fina e senso de humor peculiar, Dr Drauzio mantem o leitor interessado da primeira a  última linha.
A maior parte do livro são histórias sobre o dia a dia de carcereiros que ele conheceu na época em que trabalhou no Carandiru, e com quem o escritor mantem contato até hoje.
O autor consegue ser imparcial na sua narrativa, humanizando a rotina de um presídio e sem fazer apologia a nenhum dos lados (nem carcereiros, nem  prisioneiros), consegue manter um certo distanciamento do que narra, e se mantem fiel ao seu objetivo: mostrar a realidade dessas pessoas que sofrem tanto preconceito na nossa sociedade quanto os próprios condenados, e que muitas vezes arriscam a própria vida pelo emprego.
Ótima leitura!


Varella, Drauzio
      Carcereiros/ Drauzio Varella – 1ª Ed – SP: Companhia das Letras, 2012.
      ISBN: 978-85-359-2169-4