sexta-feira, 3 de agosto de 2012

Livro: Demiam de Hermann Hesse

"Há muita diferença entre levarmos simplesmente o mundo em nós, e conhecê-lo."


Sinopse:

O livro conta a história de um jovem - Emil Sinclair, protagonista e narrador - criado por pais muito piedosos que, de repente, se vê em um mundo bem diferente daquele pregado por seus pais e avós. Atormentado pela falta de respostas às perguntas que faz sobre sua existência, passa a procurar na introspecção suas respostas. Dividido entre o mundo ideal e o real, com suas interpretações (mundo claro e paternal, associado às idéias de seus pais e à residência destes, e o mundo sombrio e frio, externo à residência dos pais e com valores estranhos a estes), Sinclair experimenta ambos, através do confronto com suas próprias concepções, para tentar encontrar sua verdadeira personalidade. Percorrendo este caminho perigoso, influenciado por Max Demian, um colega de classe precoce e envolvente, ele prova do crime, da amizade e das incertezas - surpresas que engendram as descobertas de sua vida adolescente. Sinclair, então, se rebela contra as convenções sociais e descobre não apenas o doce sabor da independência mas também seu poder de praticar o bem ou o mal. A relação de Sinclair e Demian atravessa toda a narrativa a partir do momento que os personagens se conhecem. Demian revela a Sinclair que existem filhos de Caim, pessoas que possuem a capacidade de exercer o bem e o mal; também apresenta a entidade Abraxas, divindade de características humanas - também capaz de exercer o bem e o mal. A obra tem muitas referencias bíblicas, como o Sinal de Caim e o Gólgota, tornando dificil a leitura a quem não sabe muito sobre a religião cristã, mas também trata de misticismo e autoconhecimento, da busca da essência do Eu. A obra narra principalmente os conflitos internos que um indivíduo passa desde a infância, através da adolescência, até sua idade adulta. É possível afirmar que Demian trata-se de um romance iniciático, descrevendo os contatos de um indivíduo com aspectos existenciais e de sua personalidade.

Minha Opinião:

Eu tenho um Q por clássicos, até porque se eles são clássicos não é a toa. São livros eternos, sem idade, atuais sempre...
Com sua escrita fácil, cativante e profunda Hermann Hesse tornou "Demian"um livro assim: rico, que mexe com o EU escondido dentro de cada um de nós. Quem não se vê nos tormentos da infância de Sinclair? Quem não tem as mesmas dúvidas que o jovem protagonista?
Demian nos leva ao auto conhecimento, a reflexão, a percepção do que seria o certo e o errado, o que seria o mundo luminoso e o sombrio?
Essa obra é tem influências muito grandes de Nietzsche e da psicanálise (vide a parte da infância de Emil). Eu também vejo Platão (Mundo ideal e o real), Bachellard (análise do fogo) e muito complexo de Édipo (visão da mãe como mulher ideal).

Hoje e sempre, vale muito a leitura!!