domingo, 29 de julho de 2012

Livros: Como Água para Chocolate - Laura Esquivel



"Com a mesma força com que suas lágrimas
caíram sobre a mesa, assim, caiu sobre ela
o seu destino". (p.8)

Sinopse:

Tita nasceu na cozinha da casa da família, quando sua mãe estava cortando cebolas. Logo em seguida, seu pai morreu de um ataque cardíaco ao ter sua paternidade questionada. Por essa razão, Tita tornou-se vítima de uma tradição local, que dizia que a filha mais nova não poderia casar para cuidar da mãe até a sua morte.
Ao crescer, Tita se apaixona por Pedro Muzquiz, que corresponde e quer casar com ela, mas a mãe da moça proibe o casamento, e sugere que ele se case com Rosaura, a irmã dois anos mais velha de Tita. O rapaz aceita, pois esta é a única maneira de se manter perto de Tita


Minha Opinião:
Então, eu esperava mais desse livro, não assisti o filme (sempre leio o livro e depois assisto o filme), e já tinha lido algumas opiniões sempre favoráveis a respeito, porem achei o enredo fraco, do início ao fim me lembrei da "Gata Borralheira": a menina maltratada pela mãe, feita de empregada/cozinheira da casa, a mãe não deixa ela casa com o "príncipe encantado"...Depois do casamento de Pedro com a irmã mais velha de Tita, essa começa a cozinhar e seus pratos fazem "feitiço"em quem os come, como a irmã do meio Gertrudes que depois de saborear as "Codornas em pétalas de rosas", sai nua pelo campo e acaba num bordel.
O livro é cravado de pelas frases e receitas apetitosas que podem ser colocadas em práticas, pois dão certo. "Como água para chocolate" vale a pena ser lido principalmente pelo final, muito original e bonito.

Frases marcantes:
"Afinal, qualquer coisa pode ser verdade ou mentira, dependendo de que a gente acredite nas coisas verdadeiramente ou não".
"Mas o que é decência? Negar tudo o que uma pessoa quer verdadeiramente?"
"Não importa o que fizeste, há ações na vida às quais não se deve dar tanta importância se estas não modificam o essencial". 

ESQUIVEL, Laura.
   Como água para chocolate/Laura Esquivel; Tradução Olga Savary.
   - São Paulo: Martins Fontes, 1993.