terça-feira, 18 de maio de 2010

Livro da Semana: Orgulho e Preconceito



"Em vão tenho lutado comigo mesmo; 
nada consegui. Meus sentimentos
 não podem ser reprimidos e preciso
que me permita dizer-lhe que eu
 a admiro e a amo ardentemente."
O livro da semana é o famoso: Orgulho e Preconceito de Jane Austen.
Adorei esse livro, ele é lindo, é um romance que já foi adaptado para o cinema, sendo a melhor versão a de 2005 (na minha opinião) com  a Keira Knightley e Matthew Macfadyen nos papéis principais.
Preciso falar que apaixonei no Mr Darcy?!?!?! Mas quem não se apaixonou depois de ter lido??

Sinopse:
ORGULHO E PRECONCEITO, pode ser considerado como especial porque transcende o preconceito causado pelas falsas primeiras impressões e adentra no psicológico, mostrando como o auto-conhecimento pode interferir nos julgamentos errôneos feitos a outras pessoas A autora revela certas e posturas de seus personagens em situações cotidianas que, muitas vezes, causam momentos cômicos aos leitores, dando um caráter mais leve e satírico ao livro. As emoções e sentimentos devem ser decifrados por quem decidir mergulhar na obra de Jane Austen, uma vez que encobertos nas entrelinhas do texto. A escritora inglesa apresenta seu poder de expressar a discriminação de maneira sutil e perspicaz em ORGULHO E PRECONCEITO; ela é capaz de transmitir mensagens complexas valendo-se de seu estilo a um tempo simples e espirituoso.
O principal assunto do livro é contemplado logo na frase inicial, quando a autora menciona que um homem solteiro e possuidor de grande fortuna deve ser o desejo de uma esposa. Com esta citação, Jane Austen faz três referências importantes: a autora declara que o foco da trama será os relacionamentos e os casamentos, dá um tom de humor á obra ao falar de maneira inteligente acerca de um tema comum, e prepara o leitor para uma caçada de um marido em busca da esposa ideal e de uma mulher perseguindo pretendentes.
O romance retrata a relação entre Elizabeth Bennet (Lizzy) e Fitzwilliam Darcy na Inglaterra rural do século XVIII. Lizzy possui outras quatro irmãs, nenhuma delas casadas, o que a Sra. Bennet, mãe de Lizzy, considera um absurdo.
Quando o Sr. Bingley, jovem bem sucedido, aluga uma mansão próxima da casa dos Bennet, a Sra. Bennet vê nele um possível marido para uma de suas filhas. Enquanto o Sr. Bingley é visto com bons olhos por todos, o Sr. Darcy, por seu jeito frio, é mal falado. Lizzy, em particular, desgosta imensamente dele, por ele ter ferido seu orgulho na primeira vez em que se encontram. A recíproca não é verdadeira. Mesmo com uma má primeira impressão, Darcy realmente se encanta por Lizzy, sem que ela saiba do fato. A partir daí o livro mostra a evolução do relacionamento entre eles e os que os rodeiam, mostrando também, desse modo, a sociedade do final do século XVIII.
O que me acha a mais a atenção nesse livro é a destreza que a autora revela como o orgulho e o preconceito pode mudar a vida das pessoas. Como o preconceito de Darcy em relação a família de Lize, com a situação financeira deles, com a falta de educação de sua mãe e irmãs...como a retidão e timidez de Darcy é vistos como uma fonte inacabável de orgulho.
Ao mesmo ponto que  Lize sem ter provas já condena Darcy por ser arrogante, preconceituoso, orgulhoso...o que na verdade é tudo um grande mau entendido.

"Orgulho e Preconceito" é um livro eterno! Mesmo já se passando quase 200 anos de sua primeira edição  ele continua sendo um livro lido e amado.

AUSTEN, Jane. Orgulho e Preconceito. Trad. Jean Melville.São Paulo: Martin Claret,
2006.

ISBN:9788572326919